TEMPOS DE DEPURAÇÃO DAS VERDADES (1)

02 02 2020 – REEXPLOSÃO DA BOLHA INTELECTUAL E REFORMAS DOS SISTEMAS CORPORATIVOS, O QUE SIGNIFICA ISSO?

PROJETO HOMEM MARKETING É EM SI UMA INTERMINÁVEL CAMPANHA DE VALORIZAÇÃO DA VIDA – Conjunto de incentivos para extrair das crises os sentidos evolutivos que identifiquem esses tempos como lúcidos e iluminados e não só modernos e aflitivos.

#COLUNAEDITORIALPRONTANÁLISE, >>> #MIDIÁTICOSENSORIAL: #UNIÃODOSJORNALISTASSEMFRONTEIRAS >>> #CRÍTICASEMCRÍTICAS >>> #CHACATTISTADADOTA >>> #DiaDbrasileiroESTÁchegando >>> #TERRABRASILISseráredescoberta

https://wp.me/p31Lbb-1v1

COMO E PORQUE SURGIU A CAMPANHA TEMPOS DE DEPURAÇÃO?

UM CONCILIADOR DE TENSÕES CRIOU A “CAMPANHA TEMPOS DE DEPURAÇÃO DAS VERDADES” DENTRO DO MERCADO DE CAPITAIS EM 2008

Como uma campanha com esse título foi criada dentro do metiê do mercado de ações? Todas as explicações virão na próxima postagem.

Atenção: Por que a re-explosão ou reexplosão

Alguma coisa que explode mais de uma vez?

Como assim, a explosão só acontece uma vez, vai tudo pelos os ares. Re-explodir não existe, se o verbo não existe a palavra não acompanha. Nada explica alguma coisa que explode mais de uma vez. Ainda mais perto da palavra,  bolha, que dá ideia aumento de tamanho e duração efêmera, mas “vai e volta”?  É isso mesmo que será elucidado nas próximas postagens sobre o mesmo tema.

Justamente isso, o que explode mais de uma vez são as ideias. Na realidade, a vida é uma coleção de “vai e volta” ou “idas e vindas”. Antes na minha vida, nunca tinha escrito a palavra “reexplosão” ou “re-explosão”, nem sabia qual seria a grafia mais correta, com ou sem hífen. No entanto, surgiu de repente na minha cabeça. Parece que quando você se dispõe a fazer o bem em benefício de muitos, as virtudes do mundo conspiram a seu favor.

As explosões podem ser planejadas e súbitas, mas a “reexplosão” tem significância mais abrangente. Em 2008,  o termo também  foi criado como alguma coisa que precedeu e expande a ideias próprias das verdades absolutas e mentiras relativas, tal como as “fake news” que hoje tanto se fala também no Brasil. Ou seja, é um assunto que em si não se esgota. Não quero dizer que “nunca” se esgota, uma vez que a explicação do “nunca” é sempre relativa.

FAÇA PARTE, ENTENDA MELHOR, CONTRIBUA DE ALGUMA FORMA

A SEGUIR, TEMOS A REPRODUÇÃO ESCRITA DA APRESENTAÇÃO DA CAMPANHA DA MESMA FORMA COMO O ORIGINAL DO DOCUMENTO FOI REGISTRADO NO CARTÓRIO EM 2008.

OU SEJA, A PARTE A SEGUIR DA POSTAGEM É O PRÓPRIO DOCUMENTO DE REGISTRO DA CAMPANHA QUE SE DEU EM BELO HORIZONTE COM O Nº 970628 – EM 01/12/2008 – CARTÓRIO 2º OFÍCIO DE DOCUMENTOS E TÍTULOS – RUA GUAJAJARAS, Nº 197.

   No repique atual das crises evolutivas, em 2008, os próprios vícios corporativos se detonaram, fazendo aflorar as espertezas do sistema capitalista que está sendo acudido pela corporação estatal. Obrigada a intervir na iniciativa privada, sob pena de ver ruir os dogmas que ainda protegem o estrutural democrático-financeiro até então aceito.

Ao mesmo tempo, num desdobramento imediato, colocamos para debate dois ápices de discussão: a reexplosão da bolha intelectual a favor e versus as reformas dos sistemas corporativos, que em breve farão parte das instâncias normais dos conhecimentos das pessoas. Esses ápices não são entidades distintas, mas concomitantes e interativas que começamos a estudar na feitura dos livros editados no site. Temos a comentar:

1 – Reexplosão da Bolha Intelectual:

   Ocorre de tempos em tempos e como sempre, será puxada pela comunicação em geral. Onde já é perceptível uma consciência ainda oculta sobre uma pergunta que, há muito, intriga um contingente de pessoas:

l        Por que falham os nossos intelectuais? Seria por impotência para reagir contra o imoral legalizado?

Há alguns anos, os intelectuais tinham uma forma fixa de proceder. Era charmoso que as cabeças pensantes se rotulassem de comunistas contrapondo ao capitalismo. Bater no corporativo governamental era outra moda que trazia dividendos para os ilustres das artes e escritas. Recebiam aplausos dos maiorais, os pseudofilósofos da comportada anarquia.

Hoje em dia, não existem mais os pontos fixos para desafogar as mágoas intelectuais. As referências são fluídas e amorfas, flutuam, escorregam e se locupletam. Quando mal se espera, o estado vira banco. Chamamos isso de ciência das adaptações constantes (Site: Raízes Flutuantes – desenvolvimento da capacidade de se sentir seguro em qualquer lugar)

   No quesito próprio da comunicação, existe algo mais a se apurar, pois a fala dos intelectuais não atinge os comuns. Não cumpre o primordial objetivo de elucidar o homem para a vida. Não se trata propriamente de erro, ensino ou educação, mas de alcance e reflexão. Imagina-se que um “produto intelectualizado” tenha alcance comunicativo universal. Mas no contexto de ser rápida, praticar a informação e ensinar, a comunicação fica prejudicada. O sistema desintegrado, um incentivo involuntário de antagonismos infrutíferos, tem dificuldades para interagir e corrigir outros corporativos. Exemplos:

  1. a) Na época do mensalão, não adiantou a imprensa ser rápida e presente. Não adiantou ensinar, porque o público que realmente decidiria a parada não entendera nada. A descoberta do “mensalão” foi uma sorte ainda não refletida e aproveitada.
  2. b) Quantos esforços foram gastos para que os bandidos fossem excluídos pelos votos. Nada adiantou. O que fazer se o sistema de votação é a própria arapuca?
  3. c) Nessa época de crise internacional devido à farra dos derivativos, as bolsas de valores ao invés de vítimas estão pagando a conta. Muitos enxergam os fatos como se quase tramados por elas.
  4. d) No contexto das intocabilidades, a vergonha nacional precisa desatar o nó dos doze tiros corporativos que não podem mais reforçar a tese da legítima defesa, nem aceitar que operações como a Satiagraha continuem com trânsito livre entre “veias e tetas” da nossa inconsciência. Dos holofotes aparecem os descuidos das “espertezas”.

2 – Reformas dos Sistemas Corporativos:

Nós, do Projeto Homem Marketing, temos objetivos múltiplos, um deles é fornecer ao cidadão alguns esclarecimentos no uso de suas pontencialidades.

Podemos resumir no seguinte:

  • Da fala dos poderosos, sempre ouvimos: Nós somos do primeiro mundo, os de outros mundos não precisam pensar, nós pensamos por vocês.
  • Da mente dos famintos, eis a resposta: Não vamos entrar no primeiro mundo deles sem antes criar o nosso.

Assim, o âmago desse contexto pode ser sintetizado no seguinte:

O Capitalismo de várias faces tentou até se misturar com os feitos das divindades. Como consequência, estão querendo enquadrá-lo dentro da nova sistemática corporativa que se avizinha, pois chegamos ao tempo de rever a era do lucro pelo lucro. Concomitantemente, entra em vigor a era da busca de resultados recíprocos das oportunidades. A convivência do dinheiro pelo dinheiro não é pecado, desde que em volta ninguém passe fome. Os comuns saberão distinguir o marketing bom do traiçoeiro.

Do campo financeiro, as reformas corporativas se replicarão por outros campos do conhecimento, tendo a reexplosão da bolha intelectual ora como algoz, ora como aliada. Delírios de sedução e aversão, a lógica versus o emocional. Nesse diapasão de esforços recíprocos, temos muito mais a agradecer pelo aprendizado que a atual crise propicia. Aquilo que muitos se referem como “abalo global”, verdadeiramente é uma oportunidade de reflexão, reciclagem e recriação, pois estamos inaugurando uma nova era na economia mundial com reflexos de “mudanças exponenciais” noutros seguimentos da vida.

Nesses atuais tempos modernos, as crises são antídotos contra os corporativos imortais que ofuscam as “transparências” nacionais e internacionais. Onde se confirma a necessidade de cooperação entre os diferentes mundos e mentes. Fato até superior às conquistas tecnológicas que em muito facilitam o cotidiano.

Trata-se de uma vitória inestimável, é a sobreposição do lastro moral sobre qualquer outro. Reconhecimento de que o homem já está pronto para tomar conta de si e enfrentar a auditoria em tempo real de seus males e virtudes. Confiança lastreada na própria concorrência entre iguais, sob a tutela de leis universais que regem os governos e mercados. Infelizmente a esperteza humana tem que ser vigiada.

Temos “sorte, chance e insight”, é só aproveitar. Inauguramos a era dos tempos lúcidos e iluminados. Atenda a esse chamamento, conheça-nos. Saiba mais, visite o nosso site.

Convidamos sua sensibilidade para um banquete de criação de ideias e inovações.

#CONSCIÊNCIAINTERATIVA:

#REFORMAGERALdoEstadoBrasileiro

As democracias desenvolvidas sempre têm escolas e cadeias.
Preferimos ter um inimigo constante que um amigo ausente.
A simplicidade nunca fica sozinha.
Trabalhe mais, faça mais e permita que outros façam.
Onde o vento faz a curva, você encontra as mãos que pensam e os pés que enxergam.
Vamos balançar o mundo de coisas prontas.
Os comentários anteriores são nossos esteios.
Chacattis Tadadota
Continua

Agradecemos seu comentário, seja breve, interaja e volte sempre.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Defensoria Pública

A Defensoria Pública em estudo.

sumidao.blog

todos os dias à zero hora um inédito conto poético por Igor Florim

BloG/Nunes

"Ler fornece ao espírito materiais para o conhecimento, mas só o pensar faz nosso o que lemos." (John Lennon)

COLUNA EDITORIAL PRONTANÁLISE

Estudo dos fatos globalizantes e da mente do mercado de ações. A voz, sentimento e a arte do Pool Businesses, fluir e expandir agregando, não trabalhe disperso nas redes sociais. Editor: Chacattis Tadadota

The Meat & Potatoes of Life

By Lisa Smith Molinari

VIVIMETALIUN

Pensamos demasiadamente e sentimos muito pouco. Necessitamos mais de humildade que de máquinas. Mais de bondade e ternura que de inteligência. Sem isso, a vida se tornará violenta e tudo se perderá. Charles Chaplin.

%d blogueiros gostam disto: